Ataque do Boko na véspera de Natal, deixa 11 cristãos mortos na Nigériia

0
33
Grupo terrorista Boko Haram ataca vila cristã e mata 11 cristãos na Nigéria
Grupo terrorista Boko Haram ataca vila cristã e mata 11 cristãos na Nigéria. Foto – Divulgação

Várias pessoas morreram no nordeste da Nigéria, depois que militantes do Boko Haram invadiram uma vila cristã e incendiaram uma igreja na véspera de Natal. Pelo menos 11 cristãos foram mortos, de acordo com notícias da AFP.

Os combatentes do Boko Haram, entraram em Pemi, no estado de Borno, em caminhões e motocicletas atirando indiscriminadamente, disse um líder local à agência de notícias. Pemi fica perto de Chibok, onde 200 estudantes foram sequestradas em 2014.

O Boko Haram realizou uma série de ataques no norte da Nigéria, onde lutam para derrubar o governo e criar um estado islâmico.

+ Cristãos na Nigéria ‘temem ser atacados no Natal’

Eles promovem uma versão do Islã que proíbe os muçulmanos de participar de atividades não derivadas da tradição islâmica. Boko Haram pode ser traduzido livremente como “a educação ocidental é proibida”. O ataque mais infame do grupo teve como alvo meninas em Chibok em 2014 e manteve muitas em cativeiro por anos.

Na quinta-feira, os combatentes do Boko Haram, invadiram Pemi enquanto as autoridades de segurança alertavam que um ataque no feriado cristão era provável. Os aldeões fugiram para o mato e alguns ainda estão desaparecidos.

“Os terroristas mataram sete pessoas, incendiaram 10 casas e saquearam alimentos que deveriam ser distribuídos aos residentes para comemorar o Natal”, disse o líder da milícia Abwaku Kabu.

Os agressores queimaram uma igreja, sequestraram um padre e roubaram suprimentos médicos de um hospital antes de incendiá-lo.

O conflito Boko Haram, que já dura décadas, matou mais de 36.000 pessoas e desalojou dois milhões de suas casas, de acordo com a ONU. Para se proteger, as comunidades no norte da Nigéria recorreram a vigilantes armados e grupos de milícias que trabalham ao lado do exército.

Em dezembro, o grupo assumiu a responsabilidade pelo sequestro de mais de 300 estudantes no estado de Katsina, embora as autoridades nigerianas afirmassem que se tratava de gangues locais ligadas ao grupo islâmico.

No mês passado, os combatentes do Boko Haram também disseram que mataram dezenas de trabalhadores agrícolas.