China censura cultos online durante a pandemia do coronavírus

Segundo relatos de um pastor: “Não podemos nos reunir por causa da pandemia”, disse um pregador de uma igreja doméstica no sudeste da província de Jiangxi

0
29
China censura cultos online durante a pandemia
China censura cultos online durante a pandemia

China – À medida que o coronavírus se espalha pelo mundo, as pessoas de fé confiam na internet por meio de cultos online como a única maneira de manter suas atividades religiosas em grupo. Mas não na China.

Segundo relatos de um pastor: “Não podemos nos reunir por causa da pandemia”, disse um pregador de uma igreja doméstica no sudeste da província de Jiangxi à Bitter Winter.

A única opção dos cristãos na China era se encontrar on-line, assim como muitos irmãos da fé em todo o mundo fazem agora. Em 9 de fevereiro, a igreja chinesa planejou se reunir por meio de um aplicativo de transmissão ao vivo.

“Nossa primeira e única reunião on-line foi bloqueada pelo governo logo após o início”, disse o pregador. Ele acrescentou que antes do surto de coronavírus, a igreja deles teve que mudar de local pelo menos 5 vezes por causa do assédio policial contínuo.

Censura de cultos online

No mesmo dia, um pastor da igreja doméstica da província oriental de Shandong também organizou um culto on-line para sua congregação, mas a reunião foi interrompida em menos de 20 minutos após o início. Alguns dias depois, ele tentou outra plataforma online, mas também falhou.

Tendo descoberto que mais e mais pessoas estavam tentando organizar suas atividades religiosas on-line, os Dois Conselhos Cristãos Chineses da Província de Shandong emitiram um aviso em 23 de fevereiro, exigindo que todas as igrejas da província parassem de transmitir seus cultos imediatamente.

Em fevereiro deste ano, o Departamento de Trabalho da Frente Unida do distrito de Nanhu, em Jiaxing, uma cidade na província de Zhejiang, no leste da China, emitiu um aviso exigindo investigar atividades de pregação on-line em todos os locais religiosos estatais.

De acordo com a ordem, todas as transmissões ao vivo tiveram que ser interrompidas dentro de uma semana, e pelo WeChat imediatamente após o término da epidemia.

De acordo com as Medidas para o Gerenciamento de Informações Religiosas na Internet, emitidas em 2018 pela Administração Estatal da China para Assuntos Religiosos:

“Nenhuma organização ou indivíduo poderá transmitir ao vivo ou transmitir atividades religiosas, incluindo orar, queimar incenso, ordenações, cantar as escrituras, realizar cultos, adorar ou receber o batismo on-line na forma de texto, foto, áudio ou vídeo”.

Pouquíssimas organizações, e somente aquelas que possuem licenças emitidas pelo Estado, podem transmitir serviços religiosos e fornecer informações relacionadas à fé online na China. E o conteúdo também é fortemente censurado. Os regulamentos estritos não foram atenuados, mesmo durante a pandemia.

Não apenas as igrejas estão restritas, as atividades online de cristãos regulares também são monitoradas intensamente.