Cresce o interesse pelo cristianismo no Irã durante pandemia

A pandemia limitou os recursos que o governo do Irã precisa para continuar a perseguição

0
28
Cresce o interesse pelo cristianismo no Irã durante pandemia
Cresce o interesse pelo cristianismo no Irã durante pandemia (Foto: Divulgação)

A pandemia do COVID-19 está causando estragos no Irã, mas também é acompanhada pelo o aumento do interesse no cristianismo. A nação islâmica, é considerada o país mais fechado para o evangelho no Oriente Médio.

Segundo à International Christian Concern, uma organização que ajuda cristãos perseguidos em todo o mundo, cita suas fontes na autocracia islâmica.

Hormoz Shariat, do Ministério Alive do Irã, um canal de TV cristão via satélite explicou: “Mais pessoas estão ficando em casa, então nossa audiência durante o dia aumentou”. Disse, ele segundo portal, World Net Daily.

Ele disse que, devido ao “sofrimento e como eles se sentem sobre o governo islâmico e o próprio islã, a boa notícia é que estamos vendo um aumento no número de salvamentos”.

O poder do Evangelho

“Parece que um véu se ergueu dos olhos dos iranianos, e agora eles veem a luz do Evangelho e são atraídos por ela”, disse ele.

Outro membro, Mike Ansari, do Heart4Iran, disse que os grupos que se encontram online devido ao bloqueio estão crescendo.

“Só porque estamos em casa não significa que somos ineficazes. Acredito que a primeira e mais importante é perceber o poder da oração”, disse ele. “Não temos mais nada a fazer além de ajoelhar-nos e rezar”.

Ele disse que a igreja no Irã sobreviveu à perseguição por causa da oração.

“Eles são guerreiros da oração e rezam pela situação em questão, e rezam pelos inimigos e pela vontade de Deus”, disse ele. “O poder da oração em isolamento é multiplicado, e podemos preenchê-lo.”

A ICC disse que o coronavírus provavelmente é a crise mais desafiadora para o regime liderado por mulás desde sua criação, 41 anos atrás.

Ansari disse que os cristãos são pegos no meio, já que o regime impede a prática pública de sua fé. Isso, significa que os cristãos já sabem o que é experimentar o isolamento social e a igreja lhes negou.

O cristão, explica que “Devido à insistência do Irã em prender os cristãos, eles já sabem o que significa confinamento”, disse ele.

Perseguição em meio à pandemia

A pandemia limitou os recursos que o governo do Irã precisa para continuar a perseguição. O judiciário emitiu uma ordem declarando que “qualquer convocação ou prisão desnecessária de pessoas deve ser evitada”.

Alguns cristãos foram retirados da prisão. Porém, há outros foram informados de que não há necessidade de completar sua sentença. No entanto, Ansari alerta também que o Irã “não se importa com sua população”.

Mas ele disse que os pastores estão recebendo uma mensagem: “Deus está dizendo a eles para começarem o ministério para pessoas aflitas. Isso varia de passar pelas pessoas nas ruas, ir e comprar mantimentos para famílias rejeitadas pelo hospital e combater o vírus.

Eles estão envolvido em um ministério de compaixão para com aqueles que costumavam persegui-los. Uma cristã, Dabrina Bet Tamraz, disse que a opressão está oferecendo uma oportunidade para um “despertar espiritual”.

“Isso mostra novamente como restrições e limitações podem fechar edifícios, pode restringir reuniões. Mas, não pode matar o cristianismo, pois nossa fé, nossa unidade são através do espírito de Deus”, disse ela.